Seu navegador não suporta Javascript! Dia dos Pais: dicas para o consumidor não ter dor de cabeça | Alves Araujo

9 de agosto de 2017

Dia dos Pais: dicas para o consumidor não ter dor de cabeça

Dia dos pais

O Dia dos Pais está chegando e, para que a data não passe em branco, muitos filhos acabam deixando para a última hora a compra do presente ideal. Mas, mesmo com a urgência da data, antes de sair às compras, é importante ficar atento aos seus direitos como consumidor.  

Data importante para o comércio, o Dia dos Pais faz com que as vendas sejam intensificadas, principalmente nesta semana próxima da data. Todo esse movimento a mais é motivado pelo afeto dos filhos e filhas, que não perdem a oportunidade de presentear aqueles que lhes deram a vida.

Porém, o que é muitas vezes para ser um momento de alegria, pode acabar se transformando depois em uma grande dor de cabeça pois existem alguns direitos do consumidor que muitos comerciantes fazem questão de esconder. Para isso não acontecer com você, separamos agora as principais dicas de consumo que você precisa conhecer para que tudo saia perfeito neste dia tão especial. Confira:


Lojas físicas 

As lojas devem sempre deixar claro ao seu cliente o valor cobrado por seus produtos. Nas vitrines dos estabelecimentos, é dever do fornecedor mostrar de maneira clara o preço, as condições de pagamento, número de mensalidades, além dos juros cobrados.

Em caso de compras de eletroeletrônicos, deve-se pedir ao lojista uma demonstração de funcionamento do produto. A lei da diferenciação de preços em vigor dá direito ao vendedor a cobrança diferenciada para dinheiro, cartão de crédito ou débito.


Internet 

O consumidor deve estar sempre atento à segurança do site. Homepages confiáveis possuem um cadeado visível na tela. Deve-se evitar sites que não informam o CNPJ e o endereço e desconfiar daqueles que anunciam preços muito abaixo do mercado.

Também é vale lembrar que, o Procon mantém uma lista atualizada onde é possível que o consumidor consulte a listagem de sites não seguros para compras online.

O consumidor deve conferir se o CNPJ disponibilizado é o mesmo registrado no site da Receita Federal. Deve-se verificar se o site apresenta o endereço físico da empresa, as características do produto e o valor da mercadoria de maneira adequada. O consumidor deve checar se há diferença entre o pagamento no débito, boleto ou cartão. No caso de compras coletivas, o site deve informar: o número mínimo de compras para a efetivação da oferta; o prazo para utilizar o cupom e a identificação completa do fornecedor.

O consumidor deve ficar atento aos prazos de entrega prometidos pelo fornecedor, que devem ser rigorosamente cumpridos. Em casos quando o produto for entregue fora da data estabelecida, o consumidor pode desistir da compra, recebendo o valor pago de volta.

Em compras on-line, ou realizadas por telefone ou catálogo, o consumidor pode exercer seu direito de arrependimento. Ele pode, neste caso, desistir da compra e receber a quantia desembolsada em até sete dias a contar do recebimento do produto ou serviço.

Deve-se sempre exigir a nota fiscal de compra. Ela é a principal garantia em caso de problemas com o produto ou serviço correspondente. Na compra efetuada pela Internet o consumidor não pode esquecer de imprimir o comprovante de pagamento da compra que deve conter a descrição do pedido, o e-mail de confirmação e a data da entrega do produto.


Restaurantes  

Para quem deseja comemorar a data em um almoço ou jantar fora com o pai, é recomendável uma reserva prévia no local desejado. Os restaurantes devem possuir cardápio com os preços expostos claramente na moeda corrente, na entrada do estabelecimento.

A cobrança da taxa de serviço, ou gorjeta, é facultativa. Qualquer informação relativa a essa taxa deve estar especificada no cardápio e na nota fiscal.

Já o couvert artístico, quando o estabelecimento oferece apresentação, geralmente musical, não é considerado um pagamento facultativo, porém os consumidores devem ser informados previamente sobre o valor cobrado pelo serviço (art.6º, III do CDC).


Trocas de produtos e defeitos


Ao adquirir um produto considerado como bem durável, como roupas, eletrodomésticos ou eletroeletrônicos, e a mercadoria apresentar defeito, o consumidor tem 90 dias para fazer a reclamação. No caso de bens duráveis como alimentos, este prazo é de 30 dias.

Ao ser enviado para assistência técnica, o produto deve voltar em perfeito estado ao consumidor em 30 dias. Caso o vício persista, o comerciante deverá trocar o produto por outro de igual valor ou devolver o valor devidamente corrigido.

E lembre-se, apesar do popular ditado que diz que "o cliente sempre tem razão!", existem muitos direitos que pensamos ter, mas que não possuímos realmente, como, por exemplo, a troca de produtos em loja física por motivos de gosto, cor, tamanho, entre outros, não é obrigatória por parte do lojista. Por isso, sempre se informe com o vendedor as condições de troca oferecidas pelo estabelecimento.

E lembre-se que, independente do que você planejar para este dia, não se esqueça de dar aquele abraço apertado no seu paizão e dizer o quanto ele é importante, afinal, não existe presente melhor do que esse 😊




Caso ainda tenha restado alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato conosco ou deixe sua mensagem nos comentários logo abaixo e informe-se sobre seus direitos