Seu navegador não suporta Javascript! Caiu numa propaganda enganosa? Veja o que fazer | Alves Araujo

23 de fevereiro de 2017

Caiu numa propaganda enganosa? Veja o que fazer

Propaganda enganosa

O preço era atrativo, o produto parecia ser bom, você gostou e comprou. No entanto, ao recebê-lo e analisá-lo com calma descobriu que nem todas as características anunciadas pela empresa estavam presentes. Você se sente enganado e se dá conta que foi vítima de uma propaganda enganosa.

De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, propaganda enganosa é toda ação que passa falsa realidade de um produto ou bem de consumo ao comprador. Trata-se de um ato que omite informação e induz a pessoa à compra de algo que é muito mais interessante no anúncio do que na realidade. Como se diz popularmente, é 'comprar gato por lebre'.

A propaganda enganosa pode se apresentar de várias formas, como através da omissão de características ou da origem do produto, e também ser de qualidade considerada inferior do que o anunciado. Ainda pode ser por meio da diferença da quantidade divulgada, ou preço e formas de pagamento em desacordo com o que foi dito no momento da compra.
Como afirma o Código de Defesa do Consumidor, o produto ou bem tem que cumprir o que anuncia. Se a empresa cobra tarifas adicionais no plano de internet sem que tenha sido clara com o consumidor, está em desacordo com a lei, ou seja, comete um crime. O mesmo ocorre com a concessionária que esconde problemas do veículo e até mesmo com a embalagem que mostra um produto muito mais saboroso e atrativo do que está dentro da caixa.


O que fazer ao ser vítima de propaganda enganosa?

Em situações assim, um dos primeiros passos é entrar em contato com a empresa e tentar solucionar a questão. É importante documentar toda a ação para que se produza prova material, tais como comprovantes de pagamento,  faturas de cobranças, e as reclamações realizadas.

Caso o problema não seja resolvido, a vítima de propaganda enganosa pode registrar uma ocorrência na Agência de Proteção e Defesa do Consumidor, o Procon. Além disso, também pode entrar com uma ação contra a empresa no Juizado Especial de Pequenas Causas (Jec), desde que a causa seja de até 40 salários mínimos.

Outro passo importante é buscar o auxílio de um advogado. Isso principalmente quando o problema envolver danos morais, danos físicos ou à saúde, prejuízos financeiros, entre outros. O profissional analisará a questão e buscará as melhores soluções jurídicas ao caso que pode, inclusive, gerar uma indenização a ser paga pela empresa ao consumidor lesado.

Quer saber se o seu caso é de propaganda enganosa? Então deixe sua dúvida nos comentários logo abaixo  

Fonte: Mundo Advogados





Caso ainda tenha restado alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato conosco ou deixe sua mensagem nos comentários logo abaixo e informe-se sobre seus direitos