Seu navegador não suporta Javascript! 5 Mitos que impedem as pessoas de contratarem um advogado | Alves Araujo

20 de junho de 2016

5 Mitos que impedem as pessoas de contratarem um advogado

 5 mitos

Tem gente que não procura um médico com receio de descobrir doença. Outros, não consultam um engenheiro com medo de encarecer a obra. Na advocacia, não é diferente. Assim como o médico e o engenheiro, o advogado - por várias vezes - é um profissional que deixa de ser solicitado devido a algumas cismas das pessoas.

Algum tempo atrás, falamos sobre por que contratar um advogado. No artigo especial de hoje falaremos sobre cinco mitos que impedem as pessoas de fazerem isso.

Isto acontece porque ainda existe todo um folclore sobre a figura do advogado. Boa parte dele, de fato, é crendice. O contato com o advogado deve ser desmistificado, ainda mais por esta profissão encontrar-se em grande processo de modernização e aproximação com a sociedade. Resolvemos elencar algumas opiniões comuns que afastam as pessoas de consultar um advogado e explicar o porquê destes argumentos serem mitos:


1. Advogados custam muito caro

É verdade que um bom advogado cobra o valor que acha justo. Aliás, fuja dos advogados que cobram excessivamente barato, pois estes acumulam muitos clientes - trabalhando na quantidade, não na qualidade - e muito provavelmente esquecerão seu nome logo após a assinatura do contrato.

Fuja também daquele sobrinho que acabou de tirar a OAB, ou daquele tio que se formou na década passada e há muito tempo não exerce a advocacia. Inexperiência e obsolescência são dois fatos geradores de erros na advocacia, como perda de prazos e erro de análises processuais. Muitos destes erros são insanáveis e terminam por acabar com o bom direito que você tinha.

O bom advogado pode até cobrar um valor alto, mas este "alto" nunca será maior que a vantagem que você - como cliente - irá conseguir. Você estará remunerando bem um profissional que te trará ganhos que valem muito mais que seus honorários, sejam em dinheiro ou em inestimáveis vantagens. Afinal, quanto vale a guarda de um filho? Quanto custa limpar seu nome que foi injustamente negativado? Enfim, quanto você pagaria para resolver o problema que te levou até a via judicial?


2. Só ganha causa quem tem dinheiro

Esta é uma crendice muito famosa. A ideia de que quem tem dinheiro sai comprando o judiciário inteiro é comum, principalmente às pessoas que dispõem de pouca informação.

Na verdade, a razão pela qual isto não é verdade relaciona-se com o tópico anterior. Um bom advogado não custa cem reais. Economizar na contratação de um advogado é como economizar na contratação da banda que tocará em seu casamento: no final, você sempre se arrepende de não ter gasto um pouco a mais.

Uma pessoa ganhará a causa não porque é rica, mas porque pagou o justo por um advogado que foi mais técnico e sentiu-se mais motivado a defender seus interesses. Terá ganho a causa não porque comprou o juiz ou desembargador, mas porque preferiu investir em um advogado mais atencioso a ter de gastar depois com os prejuízos suportados pela causa perdida.


3. A Justiça demora muito a resolver meu problema

Tudo bem que a justiça brasileira não é uma das mais rápidas, mas muitos casos podem ser resolvidos no intervalo de até seis meses. Isto acontece em muitos casos que tramitam na justiça trabalhista e nos juizados especiais, seja pelo alcance de um acordo ou pelo próprio trâmite menos burocrático.

Podemos estar sendo repetitivos, porém, mais uma vez: um advogado que corre atrás também faz diferença. Um despacho requerendo a intimação de uma parte pode ser cumprido até no mesmo dia, se o advogado estiver em cima; ou pode descansar na secretaria da Vara por vários meses, se não houver alguém agilizando o ato.

Além disso, muitas vezes, o que torna o processo demorado não são circunstâncias processuais, mas fáticas: é um sujeito que não é localizado, uma certidão que a administração não fornece, um documento que alguém não sabe onde foi parar, etc. Aí a culpa já não é da Justiça; nesses casos, seu problema demoraria a ser resolvido mesmo extrajudicialmente.


4. Se eu for pra Justiça, terei muito aborrecimento

Se você pensou em procurar um advogado, é porque este aborrecimento já bateu à sua porta. O advogado é quem vai te ajudar a resolver seu problema, dando-te a devida orientação e intercedendo para que este problema não se agrave. Entrar na Justiça não é sinônimo de ter problema, mas de começar a resolvê-lo.

Não há por quê ter medo de juiz, promotor ou de pisar no fórum. Até mesmo quando você achar que não tem razão, a Justiça não se isentará de te servir como lugar neutro, onde você poderá questionar o problema e expor o seu lado da história. Encontrar pessoas de quem não se gosta também pode ser algo chato, mas termina por ser necessário. Na Justiça, você terá a chance de por um ponto final a qualquer situação que cause angústia.


5. Advogados costumam enrolar os clientes

Esta última também é célebre. Ao longo do tempo, criou-se um mito de que o advogado é aquele sujeito enganador. Há piadas neste sentido e o imaginário popular aviva a imagem do sujeito de terno, fala mansa e cheio de segundas intenções.

Como em toda profissão, é claro que há os profissionais mal intencionados. Porém, a cada dia, profissionais mais éticos adentram o mercado e os advogados canastrões encontram cada vez menos espaço para atuar; afinal, um cliente aborrecido não torna a procurá-lo e faz questão de fazer má propaganda.

Um bom advogado fará justamente o contrário: evitará que você caia nas ciladas jurídicas do dia a dia. Escolher um bom advogado é essencial, pois você poderá confiar nos conselhos que ele tem para oferecer e saberá que serão sempre em prol de você como cliente. Enfatizo: valorize os honorários de seu advogado; de repente, você não sabe onde foi parar o dinheiro daquela causa que ganhou e, muito depois, descobre que estava na conta daquele advogado que, no começo, só te cobrou cem reais.


Ou seja,

É papel do advogado, antes de propor qualquer valor de contrato, explicar ao cliente seus diferenciais. Um cliente esclarecido e que se sinta confortável com sua orientação certamente concordará com seus valores. Desmistificar a figura do advogado é tarefa de todos os colegas da profissão.

Do outro lado, as pessoas devem perder o medo de ter contato com o advogado. Neste mundo de informações acessíveis, buscar seus direitos tornou-se algo muito mais viável. Procure, informe-se, busque referências.

Um mal advogado pode gerar muitos problemas, mas um bom advogado pode resolver todos eles.





Caso ainda tenha restado alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato conosco ou deixe sua mensagem nos comentários logo abaixo e informe-se sobre seus direitos  smile emoticon